Créditos: CC/Pixabay

Brigadeiro

Não é de hoje a fama da inventividade brasileira. Apesar do famoso "jeitinho brasileiro" (polêmico entre os gringos) remeter à malandragem,  a expressão também enaltece a forma especial como lidamos com as coisas mundanas, que resultam em criações que facilitam o dia a dia e até revolucionam segmentos em todo o mundo. 

Aproveitamos o feriado da Independência do Brasil para relembrarmos de sete invenções nascidas nessas terras.

Soro antiofídico

O soro antiofídico, que é usado para combater venenos de serpentes, foi criado pelo médico Vital Brazil em 1903.

O brasileiro encontrou motivação para o invento após presenciar muitas mortes em decorrência da picada de cobras em áreas rurais.

Na mesma época, ele ainda descobriu a especificidade dos soros contra picadas de aranha, de escorpião, antitetânico e antidiftérico.

A invenção de Vital Brazil transformou a medicina.

Motor a álcool

Créditos: Divulgação

Fiat 147, primeiro carro a álcool.

Na década de 1970, o mundo enfrentou duas crises do petróleo. A ditadura militar, no governo do general Ernesto Geisel, levou o Brasil a um intenso programa de incentivo ao uso do álcool como combustível (Proálcool).

O engenheiro Urbano Ernesto Stumpf foi um dos principais responsáveis a capitanear as pesquisas de desenvolvimento e adaptação dos motores a álcool em sua empresa, a Pentra, que lançou os primeiros modelos no mercado.

Em 1979, a Fiat apresentou o modelo 147 álcool, o primeiro automóvel totalmente movido por esse tipo de combustível.

"O pai do motor a álcool" ainda trouxe outras invenções a reboque, como o carburador com corpo em material plástico, sem canais ou roscas ou o turbocompressor acionado apenas pela energia do sopro gerado pela abertura da válvula de escape.

Exoesqueleto de Nicolelis

Talvez você se lembre do exoesqueleto robótico, quando o jovem paraplégico Juliano Pinto chutou uma bola na abertura da Copa do Mundo de 2014 – apesar dos poucos segundos dedicados na transmissão oficial.

A invenção do médico e cientista Miguel Nicolelis é capaz de captar atividades elétricas do cérebro por eletroencefalografia.

Quando o usuário se imagina caminhando, por exemplo, um computador instalado nas costas recebe essas informações e as repassa decodificada para o exoesqueleto, que se move.

Urna eletrônica

Créditos: Divulgação

Urna eletrônica

Embora o primeiro Código Eleitoral previsse uma máquina de votar já em 1932, a urna eletrônica foi inventada somente em 1989 por Carlos Prudêncio, em Brusque (Santa Catarina). A primeira experiência com a "caixinha" ocorreu nas eleições municipais de 1996.

Moser lamp

No final do século XX, algumas regiões do Brasil enfrentavam apagões elétricos com recorrência. Foi nesse contexto que o mecânico Alfredo Moser, de Uberaba (Minas Gerais), teve uma ideia: uma garrafa pet, água e duas tampas de cloro. Assim nascia a “lâmpada Moser”.

O invento, que funciona utilizando a refração da luz, já chegou a 16 países através da MyShelter – entidade especializada em construção alternativa – e beneficia principalmente populações de baixa renda.

Kinect

Créditos: Tumblr

Jogador utilizando Kinect

Você já deve ter jogado com Kinect ou pelo menos visto alguém fazer isso, certo?

A tecnologia, que capta e reproduz o movimento dos gamers, foi criada pelo cientista brasileiro Alex Kipman, nascido em Natal (Rio Grande do Norte).

Segundo o potiguar, a ideia veio de maneira intuitiva, quando um dia pensou como seria não depender de nenhum dispositivo eletrônico, como controles/joystick

O Kinect funciona a partir de uma câmera RGB, sensor de profundidade, microfone, processador e software em um único equipamento. 

Brigadeiro

Se os argentinos reivindicam o doce de leite, nós temos o brigadeiro. 

Uma das histórias populares sobre a origem desse clássico doce brasileiro conta que a invenção é de responsabilidade das eleitoras fervorosas do brigadeiro Eduardo Gomes, candidato à presidência da República em 1945, que vendiam doces para promover a candidatura do militar da aeronáutica.

Por Alexia Araujo