Na era da internet, as vidas online e offline se misturam, fronteiras nacionais se diluem e todos os povos se conectam – ou a menos tal possibilidade está posta. Rom Justa, filho de uma família multicultural, tem essa ideia muito clara e fundou a Outbound Brasil, uma empresa de tecnologia focada em mapear oportunidades globais de crescimento para empreendedores de países emergentes.

Créditos: Divulgação

Rom Justa, fundador da Outbound Brasil

A plataforma, estruturada em mecanismos de inteligência artificial e big data,  funciona como um hub de oportunidades para startups, emulando realidades comuns em grandes centros tecnológicos mundiais, como o Vale do Silício (EUA), Pequim, Xangai (China), Tel Aviv (Israel)

Assim, conhecendo o perfil do empreendedor, Outbound Brasil apresenta as melhores oportunidades como investimentos, premiações, novos clientes e outras possibilidades do mundo dos negócios, criando um ecossistema que se retroalimenta entre as partes envolvidas.

A justificativa de Rom para sua iniciativa é muito simples: “Eu sou movido por uma indignação profunda de que a gente vive num mundo digital, mas que fronteiras ainda determinam destinos. Por mais que você seja extremamente talentoso, merecedor de todas as oportunidades do mundo, se você não está dentro dos grandes eixos, é mais difícil”.

Para o empresário, o maior desafio da Outbound Brasil é cultural, no sentido de transformar a mentalidade dos empreendedores locais, incentivando a busca pela criatividade e inovação, uma vez que o “Brasil ainda é uma grande ilha no campo da tecnologia".

“O Brasil é muito criativo por necessidade. Descartando o campo das artes, onde somos imbatíveis, no campo de gerar soluções criativas tecnológicas ainda temos que comer um pouco de feijão com arroz. Criar uma cultura de planejamento a longo prazo, não pensando apenas na sobrevivência. Se você é empreendedor e criativo, conecte-se bem, visualize qual é a tendência e pense a longo prazo”, sugere.

Criatividade: o futuro econômico do planeta

Rom Justa concebe a criatividade como "olhar o que todo mundo olha, mas pensar o que ninguém pensa", destacando que qualquer situação do cotidiano pode ser fonte de inspiração, desde que haja a percepção de um novo uso ou um novo valor para aquilo já existente.

“A criatividade aplicada à tecnologia vai determinar o futuro econômico do planeta. Então a Outbound Brasil está interessada não apenas na criatividade, mas como ela vai se converter em negócios e em como utilizar a tecnologia”, diz.

O empresário, por fim, destaca três habilidades fundamentais para quem deseja lançar sua startup no mercado: resiliência, curiosidade e empatia. Uma reflexão, no entanto, pondera sobre o real desejo de empreender.

“Não criem nada que as pessoas realmente não queiram, não precisem. E se você quiser ir mais além, não crie nada que o mundo não precisa e que o futuro da humanidade não vá precisar, senão você está perdendo seu tempo”, resume Rom.

 

Imagem Autor

Jornalista. Atua como editor de conteúdo da Rede Brasileira de Criatividade.

+ posts do autor